quarta-feira, 25 de março de 2015

Crepioca

Hoje pela manhã, postei no Instgram/Facebook a Crepioca que preparei para o café da manhã, fez tanto sucesso que resolvi compartilhar com vocês a receita aqui no blog. Já é uma super opção para o café de amanhã.
A receita é super simples e não precisa ser nenhum chefe de cozinha para prepará-la (até o Boy que tem pouquíssimas habilidades gourmet consegue). Além de ser uma delícia, é uma ótima opção para substituir o pão ou até mesmo para variar o beiju. Aprovada para quem está de regime ou segue a linha Fitness.


Quais ingredientes você irá precisar: 

1 ovo;
2 colheres bem cheias de Tapioca peneirada;
1 colher de requeijão cremoso light.

O que fazer com isso?

Num pote, misture bem todos os ingredientes até ficar homogêneo. O preparo é igual ao de uma panqueca ou beiju. Em uma frigideira antiaderente (evita o uso de manteiga) despeje a mistura e deixe dourar, vire para dourar do outro lado e pronto. Crepioca feita.

Para rechear é só usar a imaginação ou o que tiver na geladeira:  queijo e presunto; carne, queijo e salada; marguerita e até mesmo doce, já fiz de banana com doce de leite e pitada de canela e ficou maravilhosa.


Dicas: 
- Se vai fazer uma quantidade maior, em vez de ovos inteiros, coloca só um ou dois inteiros e os demais somente a clara. Fica mais fitness, né?
- Dá para fazer ela aberta, como se fosse uma pizza, é só quando for virar já colocar o queijo e demais recheios e tampar a frigideira, para que o queijo possa derreter.
- Eu não coloco sal, até porque como pouquíssimo, mas quem gosta é só temperar a massa com um poquinho de sal. Dá para acrescentar outras ervas na massa, como o orégano.
- Se não quiser usar requeijão cremoso, pode substituir pelo queijo tipo cottage.

E ai, gostaram da receita?
Testem a receita e me contem aqui nos comentários o que acharam
Publiquem também a foto no Instagram e marca com a #CozinhaDePlebeia para que eu possa ver o resultado.

sábado, 21 de março de 2015

Para refletir: Você é um profissional de papel?

Tempos atrás vi uma discussão de uma conhecida que mora em São Paulo no Facebook. Ela reclamava da falta de conhecimento de uma profissional da área de moda, na realidade uma menina que se julgava produtora de moda e que não sabia o que era Marsala e muito menos que era o tom definido pela Pantone como a cor de 2015.

 

Fiquei matutando e refletindo sobre essa discussão algum tempo e pensei: "Nossa, como tem pessoas por ai que se julgam "profissionais", mas que nem ao menos sabem o que acontece ao redor do seu mundo de trabalho". 

No caso em questão, que fez gerar toda a discussão no Facebook e em minha mente, a tal produtora de moda, teria sido contratada para fazer um trabalho em uma revista e nunca tinha ouvido falar em Marsala, mesmo sendo um dos comentários mais bombados nas Fashion Weeks afora e em todo o mundo da moda, ou seja, a pessoa trabalha na área mas não tem nenhuma informação sobre e pelo visto nem se interessa. 

Ok que você não tem obrigação de assistir todos os desfiles das Fashion Weeks, não é obrigado a comprar todas as revistas de moda e nem muito menos saber o nome de todos os estilistas (vivos ou mortos), mas ao menos procure se informar. Há tantos meios de comunicação, de fácil acesso, que não tem desculpas uma profissional, que provavelmente dedicou alguns anos de sua vida dentro de uma faculdade, não conhecer algumas informações importantes para profissão que exerce. 

Uma vez ouvi de um amigo de minha mãe, que é médico, falando que nunca deixaria de estudar sobre sua profissão, pois ele era curioso e quanto mais ele aprendia, mesmo já tendo anos de formado, seria melhor para ele, para sua profissão e para os seus pacientes, pois a cada dia novas informações e estudos iam surgindo, com isso ele poderia se atualizar e que conhecimento nunca é demais. 

Na faculdade de moda, tanto os professores como os alunos sempre diziam que cursar moda era um curso que você fazia para você, pois se fosse da vontade dos nossos pais, eles escolheriam medicina, direito, engenharia, ou seja, cursos mais tradicionais. Então, já que o curso de moda é uma escolha nossa, sem interferência de nossos pais, porque não se dedicar de verdade? Porque não se tornar um profissional bem capacitado, que realmente entender e gosta do que faz? 

Engraçado como tem profissional só de diploma, sabe. Aquele que se forma e pronto, acha que é profissional só porque tem um pedaço de papel. E não falo só na área de moda não, mas em todas as áreas. Quantas vezes nos deparamos com profissionais de papel? Profissionais sem conteúdo, meros ambulantes de diploma, que nem ao certo sabem o que estão fazendo, ou pior, acham que estão fazendo o certo, mas acabam por manchar não só a sua carreira, mas também a história de sua profissão. Incompetência é o que mais vemos por aí. 

E então, que tipo de profissional você é?